Impacto da Reforma Trabalhista na construção após um ano de vigência A Reforma Trabalhista abriu várias oportunidades de contratação direta entre empregado e empregador, que antes não existiam. Destaca-se, nesse sentido, o contrato de trabalho intermitente,... Leia mais...
Em cinco anos, canteiros de obras reduzem em 55% acidentes de trabalho Erguer edifícios, armar pontes ou pavimentar rodovias são atividades importantes social e economicamente para um país e exigem cuidados específicos com os profissionais que nelas... Leia mais...
Sinduscon-GO participa de workshop em Minas Gerais Na quarta-feira (03/04) ocorreu o “Workshop BDI: Nivelando conhecimento sobre formação de preços em projetos industriais corporativos”, no Sinduscon-MG. O Sinduscon-GO participou do evento, por... Leia mais...
Novo ciclo de investimentos em infraestrutura e a transparência na construção civil O Seminário que será realizado pelo BNDES no dia 25 de abril, no Rio de Janeiro, discutirá como fortalecer e modernizar o setor de construção... Leia mais...
Governo determinará revisão geral em decretos, resoluções e outras normas Todos os decretos, portarias, resoluções e outras regras federais serão revisados pelo governo federal. O decreto, apelidado de "revogaço” deve ser publicado nos próximos dias... Leia mais...
Presidente do Sinduscon-GO é homenageado em sessão Solene a cinquentenário do Crea-GO O presidente do Sinduscon-GO, Eduardo Bilemjian Filho foi um dos homenageados durante uma Sessão Solene realizada ontem (9/4), pela Câmara Municipal de Goiânia. A solenidade... Leia mais...

PUBLICIDADE HORIZONTAL

Destaques de Serviços

agenda eventos icon parceiros icon cub
diso icon locacoes icon convencoes icon

Destaques Institucionais

npq sinduscon jovem codese

BANNER negociacoes CCT

Energia mais cara, custos mais altos para todos

Foto: EBC
18. 10. 18

A partir do dia 22 de outubro a energia elétrica ficará mais cara em todo o Estado de Goiás. O aumento autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai deixar a conta 15,31% mais cara para as residências e para os clientes de indústrias e grandes comércios será de 26,52%. Isso impacta negativamente nas contas de todos, uma vez que a energia elétrica é essencial para manutenção das casas e dos negócios.

Há dias, quando o reajuste foi anunciado pela concessionária Enel, mas ainda não tinha sido aprovado pela Aneel, a Federação das Indústrias de Goiás (Fieg), publicou uma nota em que mostrou a preocupação com um novo aumento. “Nos últimos três anos, o setor produtivo tem sofrido com a recessão, demitiu milhares de funcionários e acumulou prejuízos com a interrupção do fornecimento de energia elétrica devido aos investimentos aquém da infraestrutura, vemos a competitividade da nossa indústria ser comprometida diante de reajustes tão taxativos”. A entidade também ressaltou que era necessário discutir com a sociedade goiana sobre os impactos desse reajuste antes de aplica-lo, o que não foi feito por parte da Enel.

Agora é rever as contas, tentar economizar ainda mais e buscar junto aos órgãos competentes medidas para diminuir e até sanar as interrupções de energia elétrica.

Subir