PUBLICIDADE HORIZONTAL

Indústria goiana tem queda após três meses consecutivos de crescimento

on 09 May 2019

A indústria goiana teve queda de 1,1% em março de 2019, primeira queda do ano, interrompendo a sequência de três meses consecutivos de crescimento. Na comparação com o mês imediatamente anterior (fevereiro de 2019, -2,9%), na série com ajustes sazonais, Goiás apresentou o 3º maior crescimento do país (2,3%), perdendo para os estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro, 3,6% e 2,9% respectivamente.

Goiás manteve a variação acumulada no ano de 2019 positiva em 2,3%, 4ª maior variação entre as unidades pesquisadas. Entretanto quando analisado o acumulado nos últimos 12 meses Goiás tem o pior resultado do país (-4,1%), devido à grande sequência de quedas sofridas pela indústria em 2018.

Dentre as atividades pesquisadas no estado de Goiás, as que mais contribuíram para a queda da indústria, comparado a março de 2018, foram: fabricação de outros produtos químicos (-39,7%), fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (-24,5%), e fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (-22,6%). Destaque para essa a última atividade que registrou o segundo recuo consecutivo no ano, acumulando quedas de 10,1% em 2019 e de 33,3% nos últimos 12 meses.

Do outro lado, as atividades que registraram crescimento em março de 2019 em Goiás, quando comparado ao mesmo período do ano anterior, foram: fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (24,8%), Metalurgia (13,1%) e fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (5,7%). A atividade de fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis já acumula em 2019 crescimento de 30,4%. Apesar do grande avanço em 2019, essa atividade ainda apresenta queda de 5,9% quando analisada a variação acumulada nos últimos 12 meses.

A Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) gera indicadores de produção mês a mês para as indústrias extrativa e de transformação. As informações nos permitem analisar o nível da produção ao longo do tempo para uma mesma Unidade da Federação ou entre Unidades da Federação, em diferentes setores de atividade.

Fonte: Assessoria IBGE

Subir